Tag Archives: Brewpubs

Paleta de degustação

Les 3 Brasseurs

Les 3 Brasseurs - exterior

Já que o bar da BrewDog foi inaugurado em São Paulo esta semana, decidimos que este seria o melhor momento para publicarmos nosso post sobre a primeira filial brasileira da rede de brewpubs francesa Les 3 Brasseurs. Se você não tem ânimo para ficar um tempão na fila e disputar lugar no balcão do bar mais aguardado da história, a alternativa é aproveitar para conhecer a antiga novidade cervejeira de São Paulo, inaugurada no final de novembro.

Visitamos a Les 3 Brasseurs em duas ocasiões diferentes, ambas no início de dezembro. O lugar é legal, mas não deixa de ter um clima de restaurante de rede. A decoração segue o padrão das outras filiais pelo mundo. A cozinha da cervejaria fica logo na entrada da casa, separada por um vidro. Cada brassagem produz até 1000 litros, e as chopeiras são ligadas diretamente aos tanques, no segundo andar da casa. O preço das cervejas varia de R$6,50 a R$10 (copo de 300 ml), e são servidos também em canecas de 500 ml (de R$11 a R$16), 1 litro e até em chopeiras de 3 ou 5 litros levadas à mesa.  Também é possível optar pela paleta de degustação (R$17).

Paleta de degustação

Quatro cervejas são produzidas regularmente pelo brewpub, seguindo as receitas originais da matriz, com pequenas adaptações para agradar o paladar brasileiro. Em outras palavras, são um pouco menos amargas que as versões gringas. A Blonde, apesar de ser descrita pelos garçons como pilsen, é uma ale. Tem 4,7% de teor alcoólico, 22 IBU (unidade de amargor), e é servida de duas maneiras diferentes: caldereta de 250 ml (com o nome de Chopp 250) ou taça de 300 ml, curiosamente com o mesmo preço. A Blanche é uma witbier, com toques cítricos e leve acidez, melhor que a maioria das cervejas do estilo produzidas no Brasil. A Ambrée é uma pale ale, com um toque interessante de açúcar queimado, caramelo e frutado leve, mas falta personalidade. A Itaim é receita exclusiva do Brasil. Trata-se de uma pale ale produzida com três técnicas de lupulagem e lúpulo Cascade. Ainda assim, a lupulagem ainda nos pareceu muito discreta e, nos dois dias em que visitamos o bar, a Itaim apresentava um aroma desagradável de enxofre. Além das quatro cervejas de linha, a promessa é produzir sazonais de tempos em tempos, possivelmente mais interessantes para o público cervejeiro.

Les 3 Brasseurs - interior

Enquanto visitávamos a cozinha, os tanques de maturação, o laboratório e o depósito de maltes da cervejaria, Tom nos contou um pouco sobre como começou a trabalhar com cerveja. Cervejeiro caseiro daqui de São Paulo, Tom morou na Alemanha de 2006 a 2012. Lá, acabou fazendo o curso de cervejeiro e, quando voltou ao Brasil, foi contratado para implantar a primeira loja da rede Les 3 Brasseurs por aqui. Ficamos sabendo, também, que a rede se preocupa em difundir a cultura cervejeira e uma das iniciativas que fazem nesse sentido é promover um concurso internacional de cerveja, em que cervejeiros caseiros podem inscrever suas cervejas em cada uma das filiais, e a escolhida em cada casa segue para um concurso internacional. As cervejas ganhadoras em cada filial são produzidas como sazonais locais.

Les 3 Brasseurs - Tom Silva

O cardápio é extenso e se espelha no cardápio padrão da rede. Uma das novidades para as mesas brasileiras são as flammes, um intermediário entre pizza e crepe, com recheios variados. Pratos com inspiração francesa e belga também fazem parte do cardápio. Aos sábados, há buffet de cassoulet, a versão francesa da feijoada. Na primeira das nossas visitas, experimentamos apenas Carbonnade Flamande, o hambúrger Especial 3B e a flamme São Paulo, com queijo branco, peito de frango, pimentão grelhado, molho barbecue, feijões vermelhos, linguiça defumada e tabasco.

Especial 3B
Especial 3B

Para terminar, cabe aqui uma comparação com o único outro brewpub de São Paulo, a Cervejaria Nacional, nossa segunda casa. É bom lembrar que, há quase três anos, quando a Nacional abriu, as cervejas ainda não chegavam perto do que são atualmente. É necessário tempo para que as coisas se acertem. Mesmo hoje, nem todas as cervejas da Nacional são empolgantes. Algumas são bem contidas, e possivelmente se destinam a um público que busca apenas tomar alguma coisa diferente, assim como as cervejas de linha da 3 Brasseurs. Ainda assim, pretendemos voltar ao bar ocasionalmente, na expectativa de algo que nos surpreenda.

Heineken Experience

Destinos Cervejeiros em Amsterdã – Parte II

Amsterdã II

Este post é continuação do post anterior sobre destinos cervejeiros em Amsterdã.

Destinos Cervejeiros em Amsterdã – Parte II

A maioria dos turistas que viajam para Amsterdã, mesmo aqueles que não são grandes entusiastas da cerveja, inclui a Heineken Experience em seu roteiro de viagem. A Heineken Experience é, mais do que um destino cervejeiro, uma atração turística: praticamente um parque temático/lavagem cerebral, onde o turista aprende um pouco sobre a história da cervejaria, o processo de fabricação e até mesmo sobre o marketing da empresa. A visita diverte até quem não gosta de cerveja, sem deixar de ser interessante para os aficionados. No final, o turista é encaminhado para um bar interno, onde pode escolher entre dois chopps “diferentes”: Heineken e Heineken supergelada.

Heineken Experience
Heineken Experience

Já as atrações cervejeiras são outra história. Um dos mais tradicionais destinos cervejeiros de Amsterdã é o In De Wildeman (Kolksteeg, 3). Aqui, além de cervejas holandesas e belgas, encontram-se várias das mais desejadas cervejas do mundo todo. São 250 cervejas diferentes em garrafa e 18 na pressão. Para saber de antemão quais barris estão ligados às torneiras, o bar disponibiliza um aplicativo para iOS e Android com as opções do dia. A cerveja da casa, produzida pela americana Flying Dog, é uma “Farmhouse IPA”, o que basicamente quer dizer “Saison com muito lúpulo”. O bar ainda oferece edições limitadas de várias cervejarias do mundo todo, como as Zero IBU IPAs da Flying Dog e da Brewdog.

In De Wildeman
In De Wildeman

Outro brewpub de Amsterdã é o De Bekeerde Suster (Kloveniersbrugwal, 6-8), que faz parte de um grupo que conta com outros três cafés. O bar produz três cervejas de inspiração belga: Witte Ros (5% abv), Blonde Ros (6%) e Manke Monnik (tripel de 7,2%). Ocasionalmente, é possível encontrar uma sazonal em suas torneiras. As belas instalações de cobre, que ficam no próprio salão do bar, chamam mais atenção do que as cervejas em si. Portanto, a não ser que o programa seja passear pelo Nieuwmarkt ou cruzar o Red Light District, talvez não valha a pena desviar-se do caminho para visitar este brewpub.

De Bekeerde Suster
De Bekeerde Suster

Saindo um pouco da rota turística da cidade, mas aos pés do único moinho ainda existente em Amsterdã, fica a Brouwerij ’t IJ (Funenkade 7). Uma das mais respeitadas cervejarias artesanais da cidade, produz seis cervejas em sua linha fixa, além de sazonais e edições especiais. Não é rara a presença de alguns turistas, mas o bar da cervejaria é frequentado majoritariamente por locais, que ocupam sua ampla e agradável área externa nos fins de tarde e finais de semana de verão. A localização mais afastada traz ainda uma vantagem: o preço das cervejas fica mais em conta. A taça varia de 2,40 a 2,60 euros, e a degustação de cinco estilos sai por 7,50 euros. O bar também serve alguns petiscos. Nos finais de semana, é possível visitar a cervejaria.

Brouwerij ’t IJ
Brouwerij ’t IJ

Antes de deixar a cidade, vale conferir a De Bierkoning (Paleisstraat 125). A loja oferece cervejas do mundo todo, inclusive edições limitadas e cervejas safradas. A ’t IJ produz a Especiale Vlo exclusivamente para a loja. Além de várias cervejas artesanais holandesas, é possível encontrar alguns dos mais cobiçados rótulos dos EUA e de diversos países europeus. Cervejarias como Lost Abbey, Mikkeller e 3 Fonteinen estão representadas por suas crias mais procuradas. Como nunca há tempo suficiente para experimentar todas as cervejas que Amsterdã oferece, esta é a chance de abastecer as malas e levar para a casa mais algumas preciosidades.

De Bierkoning
De Bierkoning

Mais fotos na nossa página no facebook.

Degustação da Prael

Destinos Cervejeiros em Amsterdã – Parte I

Amsterdã I

Escrevemos um artigo sobre destinos cervejeiros em Amsterdã para a revista Gula do mês passado. Para quem perdeu, estamos publicando o texto original que enviamos para a revista dividido em dois posts, com algumas dicas extras.

Destinos Cervejeiros em Amsterdã

Do ponto de vista cervejeiro, pode-se dizer que a localização da Holanda é estratégica: a leste, está a Alemanha; ao sul, a Bélgica; e a oeste, atravessando-se o Mar do Norte, o Reino Unido. Cercada pelas três escolas cervejeiras tradicionais, a Holanda sofre forte influência de todos os lados. A cerveja mais consumida é uma lager, e em outubro só se toma bock. A única cerveja trapista não belga está em solo holandês. Porters e stouts estão presentes nos portfólios de várias cervejarias locais. Toda essa mistura faz de Amsterdã um grande destino cervejeiro. São inúmeros bares e restaurantes, que oferecem cartas de cervejas e harmonizações interessantes, além de brewpubs e lojas com rótulos do mundo todo.

Gollem
Entrada do Gollem’s Proeflokaal

O Gollem’s Proeflokaal (Overtoom 160-162) é um dos mais famosos bares especializados em cervejas de Amsterdã. Já na década de 1970, foi o primeiro estabelecimento da cidade a comercializar cervejas belgas e de outros países. O bar original está fechado atualmente, mas as atividades continuam no Proeflokaal, que fica perto da praça dos museus. Além de 22 cervejas diferentes na pressão, o bar conta com um cardápio completo, que inclui fondue de queijos trapistas e o “gigantesco hambúrguer flamengo”, além de pratos da culinária belga.

Beer Temple
Entrada do Beer Temple

O Beer Temple (Nieuwezijds Voorburgwal 250) é um bar dedicado a cervejas da escola americana, contando com 30 rótulos diferentes na pressão e dezenas de garrafas de cervejarias como Left Hand, Southern Tier, Flying Dog, BrewDog e Mikkeller. O bar ainda oferece uma American Pale Ale da casa, a Tempelbier, que não economiza nos lúpulos americanos. Para acompanhar a cerveja, a tábua de queijo trapista é uma boa (e a única) pedida.

Arendsnest
Arendsnest

Do mesmo dono do Beer Temple, mas focado em cervejarias locais, o Arendsnest (Herengracht 90) disponibiliza 30 cervejas holandesas na pressão e mais de 300 em garrafa. Cervejarias como Jopen, De Molen, Christoffel e La Trappe marcam presença, ao lado de microcervejarias de todo o país. Há ainda diversas cervejas sazonais, além de algumas safradas.

Lieve
Lieve

Depois de beber no Arendsnest, a dica é jantar no restaurante ao lado, o Lieve (Herengracht 88), especializado em comida belga e harmonizações. São três tipos de menu disponíveis: o Huiskamer serve um jantar tradicional à la carte, com entrada, prato principal e sobremesa; o Gastronomisch, mais extenso, inclui entrada, sopa, primeiro prato, segundo prato e sobremesa; e o Belgisch Barok, o mais interessante para quem vai ao restaurante acompanhado, possibilita experimentar múltiplas entradas, pratos principais e sobremesas, que são compartilhados por todos que dividem a mesa. Para quem procura a experiência completa, há ainda a opção de harmonizar cada prato com uma cerveja escolhida pelo chef. A panna cotta de cenoura com toque de gengibre, por exemplo, é servida com Hoegaarden Grand Cru, enquanto o tiramisù de cerveja com pêssego é acompanhado da Barbãr, que leva mel na composição.

Prael
Prael

Se a ideia for visitar um brewpub, o Prael (Oudezijds Armsteeg 26) é uma opção interessante. Com cervejas batizadas com nomes de cantores holandeses, a cervejaria passeia por várias escolas e faz diversas experiências. Tripel, Kölsch, bock, stout e IPA estão entre alguns dos estilos disponíveis. A cervejaria produz diferentes cervejas dentro do mesmo estilo e costuma criar edições especiais de sua carta regular, como a Andre Onder De Zoden, uma versão da bock da casa feita com malte defumado. As cervejas engarrafadas são vendidas na loja da cervejaria (Oudezijds Voorburgwal 30 – basta dobrar a esquina), de onde partem visitas guiadas que incluem degustação.

Degustação Prael
Degustação da Prael

Mais fotos na nossa página no facebook.

No próximo post, mais dicas de destinos cervejeiros em Amsterdã.